Pense Jornal - Sua fonte de notícias na cidade de Jaraguá do Sul

Terça-feira, 23 de Julho de 2024

Colunas/Geral

YANOMAMIS CONTINUAM ABANDONADOS E MORTES AUMENTARAM EM 50%

A movimentação dos políticos aumentou nas redes sociais

YANOMAMIS CONTINUAM ABANDONADOS E MORTES AUMENTARAM EM 50%
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A FICHA VAI CAINDO, A VERDADE APARECENDO.

A Ministra dos Povos Indígenas Sonia Guajajara foi a primeira da equipe de governo a assumir que “o Presimente” não cumpriu as promessas feitas no caso dos índios Yanomamis – aquele episódio espetaculoso, onde a turba do governo sambou em cima dos cadáveres e tentou tirar proveito político.

Leia Também:

As declarações da Ministra foram feitas na terça-feira.

Mas isso não é de hoje!

Em 2007 em pleno governo Lula, a Câmara dos Deputados fez a CPI da Desnutrição  Indígena e até aprovou um relatório final que dizia o seguinte:

A CPI que investigou as mortes de crianças indígenas por subnutrição aprovou ontem seu relatório final, elaborado pelo deputado Vicentinho Alves (PR-TO). O relatório recomenda a extinção dos convênios da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) com organizações não-governamentais para contratação de mão-de-obra, em razão do "descontrole" nessa área e da "ineficácia do controle interno" da fundação. "Detectamos que várias dessas ONGs têm problemas de prestação de contas. Observando a Funai e a Funasa fragilizados, elas entram de forma voraz. Entendemos que a prestação de serviço de saúde pública junto às comunidades indígenas tem que obrigatoriamente ser direto do Poder Público, sem ONGs", disse o relator.

O relatório também reafirma a recomendação do TCU ao Ministério da Saúde para que agilize "a reestruturação da Funasa, ante a ineficácia de seus controles internos, principalmente na área de administração de pessoal e de formalização de convênios, além de seus gastos excessivos na área administrativa, em comparação com os dispêndios em sua atividade-fim".

Vicentinho Alves defende ainda a criação da ``Secretaria Especial para Assuntos Indígenas``, ligada à Presidência da República, com status de ministério, com poder normativo para definir a política indigenista; e uma subcomissão, ligada à Comissão de Direitos Humanos e Minorias, para acompanhar o desenvolvimento de atividades recomendadas no relatório.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

FICOU O DITO PELO NÃO DITO

Nos anos seguintes – todos sob os auspícios petista – nada foi feito.

Em 2023 e com a pose do “governo do amor”, a claque governista promoveu o espetáculo dantesco com o objetivo de aproveitamento político e nada aconteceu.

Aliás, piorou!

Segundo relatório da Secretaria de Saúde Indígena, o aumento nas mortes dos Yanomamis foi de 50% e a maioria foram de crianças com menos de 1 ano de idade.

Cruéis, vingativos e desumanos, os integrantes do governo estão envoltos em mentiras, desfaçatez e “jogando para a torcida” dos idiotizados.

Contam com a cumplicidade de boa parte da imprensa, regiamente paga para esconder os fatos.

É necessário manter a população desinformada ou abastecida de mentiras, o único jeito de tentar encobrirem a verdade que se agiganta todos os dias e que se mostra impossível de esconder.

MOVIMENTAÇÃO

Com o passar da primeira quinzena de janeiro e sendo que 2024 é um ano eleitoral, as redes sociais estão ficando “mais movimentadas”.

O que tem de político “tentando mostrar serviço” é impressionante.

Se bobear, os caras estão postando até “Campeonato de Bolinha de Gude”.

Vídeos comendo, vídeos com amigos, vídeos em visitas, vídeos falando – tem de tudo.

Claro que a internet será uma ferramenta importante no pleito que se aproxima.

No entanto, a percepção dos eleitores não pode ser subestimada.

Se estou notando o “surgimento de muitas postagens”, as demais pessoas, também estão.

FONTE/CRÉDITOS: Redação
Comentários:
Sérgio Peron

Publicado por:

Sérgio Peron

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry's standard dummy text ever since the 1500s, when an unknown printer took a galley of type and scrambled it to make a type specimen book.

Saiba Mais

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!