Pense Jornal - Sua fonte de notícias na cidade de Jaraguá do Sul

Terça-feira, 23 de Julho de 2024

Colunas/Geral

OS EFEITOS DO ADESTRAMENTO SOBRE A ECONOMIA

A importação de arroz penaliza o Estado do Rio Grande do Sul

OS EFEITOS DO ADESTRAMENTO SOBRE A ECONOMIA
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

EFEITOS

O adestramento executado pelo adestrador de jumentos em seus seguidores, como não poderia ser diferente, produz aberrações.

O sujeito atribui ao governo o crescimento de 0,8% da economia.

Leia Também:

Se esquece do óbvio ululante e uma pergunta básica:

- O que o governo produz?

Nada!

O crescimento se deu graças às exportações do agronegócio, por sinal, odiado e demonizado pelo governo federal e os partidos do seu puxadinho.

Há uma retração da economia.

Não há investimentos. Aliás, o dinheiro estrangeiro está fugindo do país e com motivos: insegurança, alta da inflação, gastança.

Um país só cresce, diante das seguintes condições:

- Investimentos para aumento da produção

- Mais produtos – menores preços

- Mais produtos – mais empregos

- Mais produção – mais salários

- Mais salários – mais consumo

E assim a roda gira.

O Brasil está na contramão disso tudo.

E O ARROZ?

O governo federal decidiu penalizar os produtores de arroz do Rio Grande do Sul, apesar de todos os apontamentos contrários.

Não se viu os cafajestes que defendem a extinção dos agrotóxicos com a mesma preocupação com produtos utilizados no arroz importado.

Todos se calaram!

É o comportamento seletivo:

- Se me interessa, pode tudo.

Nem é preciso falar do sofrimento enfrentado pelos gaúchos em todos os sentidos.

A compra do arroz dos produtores do Rio Grande do Sul, possibilitaria, entre outras coisas, o pagamento de impostos ao Estado.

Socorrer os produtores, gerar impostos, movimentar o Estado.

Em nenhum momento, a preocupação com a população esteve presente.

E OS BANHEIROS TRANS?

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira (6) rejeitar um recurso de uma mulher transexual que foi impedida de usar o banheiro feminino por funcionários. De acordo com o processo, ao ser impedida de usar o banheiro, a mulher transexual fez suas necessidades fisiológicas nas próprias vestes e passou por situação vexatória ao ficar sob o olhar das demais pessoas que transitavam no shopping. Ela ainda teve que pegar transporte público para retornar para casa.

Na primeira instância, a administração do shopping foi condenada ao pagamento de R$ 15 mil de indenização. No entanto, na segunda instância, o estabelecimento reverteu a decisão e ganhou a causa.

Para o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), não houve dano moral, pois a abordagem foi feita por uma funcionária do shopping, que solicitou à mulher trans a utilização do sanitário masculino. 

Votos

Por 8 votos a 3, o plenário seguiu o voto proferido pelo relator do caso, Luiz Fux, que negou o recurso por entender que o processo não envolve questão constitucional. Dessa forma, segundo o ministro, o caso não pode ser analisado pelo STF. 

"O Tribunal de Santa Catarina expressamente assentou não ter havido prova de preconceito ou qualquer tipo de increpação agressiva", disse Fux.

O voto de Fux foi acompanhado pelos ministros Flávio Dino, Cristiano Zanin, André Mendonça, Alexandre de Moraes, Nunes Marques, Dias Toffoli e Gilmar Mendes.

Em seguida, o presidente da Corte, ministro Luís Roberto Barroso, abriu a divergência e entendeu que a proteção dos vulneráveis é um dever do Supremo.

"Estamos lidando com a minoria mais estigmatizada da sociedade brasileira, constante vítima da violência transfóbica. Proteger grupos vulneráveis é um dos princípios do STF. É inequívoco que essa pessoa transgênero de identidade feminina foi impedida de usar o banheiro feminino no shopping", argumentou.

Barroso foi acompanhado pelos ministros Edson Fachin e Cármen Lúcia.

Na mesma decisão, a Corte também cancelou a chamada repercussão geral, mecanismo que estenderia a decisão para todos os casos semelhantes que estão em tramitação em todo o país.

FONTE/CRÉDITOS: Redação
Comentários:
Sérgio Peron

Publicado por:

Sérgio Peron

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry's standard dummy text ever since the 1500s, when an unknown printer took a galley of type and scrambled it to make a type specimen book.

Saiba Mais

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!