Pense Jornal - Sua fonte de notícias na cidade de Jaraguá do Sul

Terça-feira, 23 de Julho de 2024

Colunas/Geral

NOVIDADE NO CRIME

A profecia de Geraldo Alckmin sendo cumprida

NOVIDADE NO CRIME
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

PROFETA

O vice-presidente da República Geraldo Alckmin (PSB) está se tornando (cada vez mais) um sério candidato ao título de profeta.

Quando disse que “Lula e o PT queriam voltar à cena do crime”, simplesmente foi provido de uma qualidade sensitiva incomum.

Leia Também:

Não é que acertou na mosca?

As empreiteiras que protagonizaram o maior escândalo de corrupção do planeta e corromperam de fornecedores, o alto escalão e devolveram bilhões de dinheiro surrupiado dos cofres públicos, já estão pedindo o dinheiro de volta, devidamente corrigidos, claro – de novo – assentaram-se na cena do crime.

A retomada de obras da refinaria de Abreu e Lima – um antro de corrupção e calote (pesquisem sobre o rombo da Venezuela) tem um significado de muito dinheiro e desconfianças maiores do que já foi visto.

Os novos contratos assinados com as empreiteiras Andrade Gutierres e Novanor (antiga Odebrecht) somam R$ 12 bilhões.

Uma rápida pesquisa sobre o envolvimento das duas empresas em atos de corrupção deixa claro que, no Brasil, o crime compensa.

PEQUENO DETALHE

O esquema de corrupção ligado à Petrobras e investigado pela Operação Lava Jato a partir de 2014 foi confirmado por cinco ex-funcionários do alto escalão da estatal em delação premiada. Os ex-executivos ainda aceitaram devolver R$279,8 milhões ao Tesouro e à petrolífera. 

Do total de recursos devolvidos, R$244 milhões foram oriundos de propinas obtidas pelos executivos e eram mantidas em contas no exterior, em dinheiro vivo e na forma de terrenos e até de carro importado. O restante corresponde a valores de multas compensatórias pelos crimes cometidos. 

Nos acordos de delação, os ex-funcionários da Petrobras apontaram as maiores empresas do setor de infraestrutura brasileiro como pagadoras de propina e eles próprios. Em uma ação inédita no País, a Lava Jato investigou e prendeu presidentes e dirigentes das gigantes da construção entre 2014 e 2015. Com o prosseguimento das investigações, executivos da Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Odebrecht passaram a confessar os pagamentos ilegais e assinaram delações. As empresas firmaram acordos de leniência.

O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa foi o primeiro ex-integrante da cúpula da estatal a dizer que um cartel de empreiteiras dominou as obras bilionárias da petrolífera a partir de 2006. Costa admitiu ter recebido milhões em propinas sobre os contratos da estatal com essas empresas e contou que recebeu o dinheiro em shoppings e em casa. 

Ao formalizar a delação, o ex-diretor renunciou a US$2,8 milhões que estavam em uma conta nas Ilhas Cayman e a US$23 milhões depositados na Suíça. Comprometeu-se a pagar uma multa compensatória cível de R$ 5 milhões e a entregar uma lancha de R$ 1,1 milhão, terrenos avaliados em R$ 3,202 milhões, valores em espécie apreendidos com ele (R$ 762.250,00, US$ 181.495,00 e 10.850,00 euros) e um carro importado de R$ 300 mil.

Após Costa, a Lava Jato fechou acordos de colaboração com o ex-diretor da Área Internacional da estatal, Nestor Cerveró, e os ex-gerentes da Petrobras Pedro Barusco e Eduardo Musa. O ex-diretor da área de Engenharia Renato Duque não chegou a firmar uma delação com o Ministério Público Federal, mas afirmou, durante audiência perante a Justiça Federal do Paraná, no ano passado, que colaborava espontaneamente. 

Em novembro de 2015, Cerveró concordou, por exemplo, em entregar 1 milhão de libras que eram mantidas em contas na Inglaterra. O ex-diretor também aceitou devolver outros US$495 mil que estavam em uma offshore nas Bahamas e R$6,7 milhões, o equivalente ao valor de dois apartamentos que o ex-dirigente mantinha em Ipanema, no Rio.

FRANQUIAS

A maior organização criminosa do Brasil, o PCC, está dando mostras cabais de profissionalização e altamente qualificada, estruturada.

Desde o ano passado e num modelo importados dos EUA, os negócios avançaram para a venda de franquias.

Como funciona?

A facção vende a franquia de um quarteirão, onde o franqueado passa a ter domínio completo e total na venda de drogas no local.

Os valores variam entre R$ 500 mil a R$ 5 milhões, dependendo da região.

O PCC oferece:

- Fornecimento de produtos garantido (compra obrigatória)

- Estudos sobre possibilidades de ganhos

- Royalties

- Plano de negócio estruturado

- Departamento de cobrança para viciados inadimplentes

- Em caso de desavença comercial entre as partes, a franquia disponibiliza o “Tribunal do Crime” e com justiça gratuita.

Benefícios:

- Negócio sem impostos

- Não há 13º salário

- Não tem férias

- Não há obrigações trabalhistas

Ganhos:

Se a “loja” pertencer à facção, a divisão de lucro fica assim”

- 80% para a faccão

- 15% para os colaboradores

  • 05% para o gerente

Exigências:

Funcionamento 24 horas por dia e todos os dias, ou seja, 3 turnos.

- A clientela é exigente e quer disponibilidade de produtos

  • O faturamento estimado em 2023 foi de R$10 bilhões de reais.
FONTE/CRÉDITOS: Redação
Comentários:
Sérgio Peron

Publicado por:

Sérgio Peron

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry's standard dummy text ever since the 1500s, when an unknown printer took a galley of type and scrambled it to make a type specimen book.

Saiba Mais

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!